Todas as vozes numa só, agora é que são elas

Convidada a participar dessa necessária e bonita iniciativa de dar voz às mulheres nos espaços da mídia ocupados por timbres e mãos masculinas fui instigada a deixar o macro de lado e pensar no aqui, na terra dita Santa por uma cruz, nascedouro desta que aqui fala. Pois bem: todas as vozes numa só, agora é que são elas.

 

Fiz um esforço para não falar por aqui na Valentina do MasterChef Júnior, vítima de grotesco assédio na internet; para não lembrar com sentimentos de fúria da retirada do ensino de gênero nas escolas país afora; para não tentar dar voz à Anna Muylaert, que teve a voz e o brilhantismo calados pelos amigos de profissão no debate sobre seu aclamado filme em Recife; para não engessar o texto com a dureza de quem vê décadas de lutas e conquistas ameaçadas pela intolerância do Congresso Nacional.

 

Olhar para dentro: para as mãos que tecem o desenvolvimento da cidade, para a mulher que deu a Santa Cruz um lugar na história. Cresci ouvindo o quanto a mulher é importante na economia daqui, o quanto é diferenciada e trabalhadora, e autônoma, e guerreira, e valorizada, e de voz firme e presente na cidade. São conectivos demais pra uma frase só, eu sei.

 

Mas eu também sei, com amargor, que uma mentira repetida várias vezes ganha tons de verdade absoluta.

imagem destacada dialogos sociais mulheres costurando direitos

 

Não é mera retórica que a mulher é mola propulsora da economia, tampouco que é batalhadora e guerreira. Mas todo o resto é uma bonita tela pintada que dificulta enxergar a verdade e perceber o silêncio. A verdade da crueza numérica dos dados do Mapa da Violência de 2012 que revela que dentre os 5.565 municípios brasileiros, Santa Cruz ocupa a 152° posição quando se trata de homicídios de mulheres, e se esse dado ainda não te alarmou pense que Pernambuco possui 185 municípios e que nós ocupamos a desonrosa posição de número 14 neste ranking sombrio. A verdade inconteste apontada pelo estudo feito por Clarissa Carvalho, de que entre 1955 e 2012, 64 pessoas ocuparam cadeira na Câmara de Vereadores da cidade, e que destas apenas 03 eram mulheres.

 

A verdade dolorosa de escrever uma história e desaparecer de suas páginas.

 

Convido você a fazer um exercício simples: ande pelas ruas. Elas contam história. Em suas placas e monumentos se registra o que perdurou ao tempo. Quantas ruas da cidade carregam nomes de mulheres? Elas existem, não sei em que exata proporção. Mas continue o exercício: quem foram essas mulheres? Em que momento você aprendeu sobre elas na escola? Quem te contou suas histórias? Prossiga o exercício: nos veículos de comunicação quantas vozes e mãos femininas você encontra, entre entrevistadores e entrevistados? Quantas colunistas mulheres nos blogs da cidade existem? Santa Cruz respira o debate político 24 horas por dia, quantas mulheres são convidadas pela mídia a dar sua opinião sobre o cenário público?

 

Eu tentei me desprender do macro, mas só pra constatar que não somos diferentes. Meninas de 12 anos também são assediadas nas ruas e nos lares de Santa Cruz, mulheres também possuem seus corpos violados por homens que aprenderam que somos domínio coletivo, nosso plano de educação também julgou impróprio dar voz ao nosso debate, nossos três poderes também não espelham nossa representação na sociedade, nossos livros, placas e ruas escondem nossas marcas, e tal qual a Anna Muylaert nós fazemos a história, mas tentam, dioturnamente, calar as nossas vozes. Então não, não há um macro e um micro quando se fala do feminino. A dor de uma é a dor de todas, a exclusão de uma é a exclusão de todas, e enquanto uma for calada e oprimida, todas estaremos sendo. Marias, Anas, Valentinas, Clarissas, Ágdas, as suas vozes eu quero ouvir. Quero ouví-las agora, já, com a urgência que a bruteza que recai sobre nós requer. Quero ouvi-las ecoar. A voz de uma também é a voz de todas. E hoje aqui, eu sou todas, todas que o mundo tentou calar e não conseguiu.

 

Imagem de capa do Texto: Fonte:Blog Terra da Sulanca

 

iana paulaIana Paula é Formada em Direito pela Faculdade ASCES em Caruaru, pós-graduada em Direitos Humanos pela Universidade Católica de Pernambuco, miliante de causas sociais, humanas e feministas e atualmente é Coordenadora da Coordenadoria da Mulher de Santa Cruz do Capibaribe – PE.

Contato com Iana: ianapaulasousa@hotmail.com

Rodolfo Alves
Rodolfo Alves
Rodolfo é o publicitário que vive escrevendo ideias e fuçando novidades. Ele adora comunicação e é apaixonado pela moda no mundo: seja ela nas passarelas de grifes famosas ou nas feiras populares do Brasil. Aqui é nosso editor de conteúdos e empreendedor do Box Fashion.
http://www.boxfashion.com.br

Cadastre-se e receba as últimas novidades do mundo da moda

Nome: *
E-mail: *