Quem faz as suas roupas? Celebre o dia da costureira

Você conhece a pessoa que faz as roupas que você veste? Já parou para se perguntar que respostas podem aparecer ao se fazer esta pergunta? As roupas que usamos antes de serem objeto simbólico de moda, do tempo em que vivemos e do que mais você agregá-las (estilo, personalidade etc.) são o fruto do trabalho de outros humanos e envolvem reais valores para além da sua face glamorosa num clique das redes sociais. Por isso vamos a lhe perguntar e convocar: Quem faz as suas roupas? Celebre o dia da costureira.

 

Hoje segundo a Associação Santacruzense de Contabilistas é o dia da costureira na cidade de tradição empreendedora da moda. Antes de citarmos o contexto da data, preferimos não começar dizendo esse ser um dia a se comemorar, como conhecemos outros dias nos calendários escolares, por exemplo. A data é uma oportunidade de pensar o contexto da moda no arranjo produtivo do polo de confecções como um todo.

 

Comecemos a explicar a data, que tem espalhada pelo Brasil vários dias para ser comemorada em diversas e distintas convenções de classe, por exemplo, dias 25 de maio ou a segunda-feira de carnaval. Independente da data física nos calendários comemorativos, vamos recorrer ao clichê de dizer que todo dia é dia da costureira, ainda mais no polo de confecções pernambucano que segundo dados do estudo “Diálogo Social; Mulheres costurando direitos” (clique aqui para ver mais), a jornada de trabalho de mulheres costureiras no polo podem variar entre 10, 16 e 19 horas de trabalho diário (considerando várias especificidades – veja o estudo).

imagem destacada dialogos sociais mulheres costurando direitos

 

Essas e muitas outras informações apontam para a urgente reflexão de considerar hoje o trabalho desses fazedores e fazedoras da moda. Levar em consideração os problemas: como condições de trabalho, o quadro ainda mais excludente quando analisado pela questão de gênero, onde se descobre com a soma dos números que são as mulheres que seguram o barco das confecções, dedicada em sua maioria somente ao trabalho braçal, numa situação bem específica da moda.

 

Em abril deste ano a 2 edição do movimento global pela revolução na moda, o Fashion Revolution pretende unir diferentes pontos das cadeias produtivas da moda em 24 de abril para ajudar a aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda, mostrar ao mundo que é possível mudar, e celebrar todos os envolvidos na criação de um futuro mais sustentável. A ideia já tem adesão do BOX Fashion que também desenvolverá ações voltadas para o tema em nosso mês de aniversário em Santa Cruz do Capibaribe. Ainda essa semana divulgaremos a programação completa.

 

Por isso hoje começamos a semana perguntante a você: Quem faz as suas roupas? E você costureira, faz as roupas de quem? Felicitações a todas as profissionais e trabalhadoras da moda, costureiros e costureiras que fazem o que vestimos, e levam o valor do trabalho que fazem para criar a moda que criamos e espalhamos pelo Brasil, parabéns pela data, pela profissão e pela história. Acompanhe nossas postagens para participar do Fashion Revolution em Santa Cruz do Capibaribe.

 

A primeira imagem desta matéria foi publicada originalmente neste link: Fashion Revolution Blog. Veja mais sobre o dia da costureira em nossa entrevista com a costureira Hilda Xavier, que costura a moda antiga roupas por encomenda: clique aqui.

Redação Box Fashion
Redação Box Fashion
Redação do Box Fashion. Moda no polo de confecções do agreste Pernambucano. Consumo, mercado local e conteúdos especiais sobre tudo que cerca a moda. Iluminuras, criatividade e indústria fashion no interior de Pernambuco. Siga em nas redes sociais.
https://www.boxfashion.com.br

Cadastre-se e receba as últimas novidades do mundo da moda

Nome: *
E-mail: *